Daydreaming

 

amorte

 

Esses dias atrás resolvi me deitar e dormir um pouco durante o dia. Fazia muito calor lá fora. Eu me sentia com febre. Adormeci rápido e tive um sonho terrível com você.

Sonhei que tudo tinha acabado, que os sonhos tinham sido frustrados e que eu não poderia nunca mais olhar em seus olhos. Eu havia perdido meu paraíso!

No sonho a tua voz havia perdido a doçura e você não se arrepiava ao meu toque.Você já não tinha o zelo de sempre comigo.

Sonhei que havíamos nos perdido e nos machucado. Que havíamos aberto feridas profundas onde nossa alma ainda estava sã em outros tempos. Eu sonhei que estávamos separados e sangrando. Você já não cantava pra mim, havia ido buscar outros olhos, bocas e corpos. E que nossos dois filhos, Pedro e Gonçalo, ficaram nos planos fracassados de um passado que ardia por querer ser futuro.

Foi um pesadelo. Você havia descoberto que  não valia mais a pena a saudade, a distância e a espera.

Meu céu havia ficado sem brilho e a única graça que havia depois da chuva, O ARCO-ÍRIS,  agora já não aparecia mais.

Sonhei que cada um ficou num canto ouvindo as músicas que lembravam nossa história e que ambos permaneciam em silêncio. As alianças foram parar na gaveta embaixo das roupas para não serem encontradas.

Cheguei a sonhar que passei por aquela estação de metrô. SIM! Aquela mesma: a estação Parque, onde pela primeira vez eu encontrei o aconchego dos teus braços deitando no seu ombro sem saber que seria eterno pra mim. Senti falta de nós.

Também neste sonho eu saía na tentativa de encontrar alguém que te substituísse, que fizesse eu te esquecer, mas eu não encontrava. Sonhei que eu chorava a cada pessoa que se apaixonava por mim e eu me sentia vazio sem sentir nada por esta pessoa.

Até sonhei que pelas ruas de Paris ou de Madrid eu encontrava pessoas parecidas com você e então eu ficava um pouco em silêncio, secava algumas insistentes lágrimas e voltava pra casa.

Lembro que no sonho quando eu saía de algum bar ou discoteca eu sentia apertos no meu peito como nunca havia sentido na vida, que isso pressionava meus olhos e eu chorava de imensa saudade sua. Sem você se importar e mesmo depois de ter dito que não suportava mais meus choros ao telefone. ( A PARTE MAIS DURA DO SONHO, POR SINAL).

Sonhei que isso já durava 4 meses: sem sms, sem beijo, sem abraço, sem encontros, sem espera..

Apenas solidão!

Sonhei que você tinha quebrado todas as promessas que fez. E que no fim do sonho eu escrevia um texto em um blog qualquer, na esperança de algum dia te mostrar ou na esperança de que você estivesse lendo.

Então, de repente, eu acordei e tive que me dar conta que nada tinha sido um sonho e que isso tudo era a mais pura realidade que me acompanhava desde o seu último silêncio.

Andrio Robert Lecheta às 20:18 horas 18/07/2014

Ao som de Daydreaming – Paramore.

HECHO EN ESPAÑA: Nada y Nadie es para siempre!

luz-do-amor

 

Amanhã serei mais um contato numa rede social. Uma foto esquecida e deixada ali ao lado das outras pessoas que brevemente passaram pela vida, talvez sem importância ou com relevância momentânea.

Amanhã serei aquele alguém que você conheceu por uma casualidade da vida. Vida essa que sempre conspira a afastar o que poderia ser. Serei uma beijo dado, um gosto bom, um perfume desconhecido. Um registro de um momento.

Um beijo, um sorriso e um olhar. O que se passa contigo? Está tudo bem?

A pergunta sem resposta. Um silêncio.

E se? E se amanhã eu não tivesse que arrumar as malas e ir para minha casa? Como seria? Poderia ir para a sua?

Se eu não tivesse acordado e saído de casa? Se você, se eu, se tudo aquilo não tivesse conspirado a favor? Onde estaríamos agora?

Tiempo al tiempo! Tiempo al tiempo! Tiempo al tiempo! Tiempo al tiempo y el tiempo se vaya!

Me pierdo en el intento!

A vida brinca com as peças desse quebra-cabeça e pode ser que eu não te veja mais,ela não costuma colaborar muito! E é estranha a sensação de passar por pessoas que jamais  veremos de volta. É como se elas morressem de alguma forma. Elas não estarão mais lá quando vier a vontade de revê-las .

Un beso, una sonrisa, una mirada e ahora la respiración fuerte! Fim do beijo. Está tudo bem? Isso é bom?

E se a vida desse a chance das pessoas não partirem? Não passarem tão rápido? Como seria?

Hay Dios? No hay Dios? Hay Cielo? No hay cielo?  Vãs filosofias de um dia que amanhecia!

Não importa, um beijo de novo. Agora demorado seguido pelo ritual de sempre: el cierrar de los ojos, una fuerte respiración, una mirada y el silencio.

Quizá no sea hora de decir nada! Apenas observar como as coisas na vida acontecem apenas uma vez e talvez nunca mais voltem!

TIEMPO AL TIEMPO! TIEMPO AL TIEMPO!

Melhor ter acontecido rápido do que não ter acontecido.! No lo es?

Y entonces vuelvo al silencio y pienso:

Nada y nadie es para siempre!

Esto es bueno y malo!

Bueno quando precisamos nos livrar das lembranças!

Malo quando estamos presos a elas!

 

Andrio Robert Lecheta, 09/07/2014 às 06:13

Ao som de NADIE ES PARA SIEMPRE ( Luis Fonsi)