La sangre

 

sangre

Expulsar o que me fazia mal era tentar cortar pedaços de mim mesmo!

Eu estava ali caído, gélido, mesclado entre solidão e desprezo. Minha alma havia se levantado e sentado ao lado de meu cadáver. Me observava atenciosamente, uma lágrima escorria dela quando eu sentia alguma dor ou a asfixia tentava me deixar desacordado.

Expulsar o que me fazia mal era tentar arrancar algum órgão!

Era um estado anestésico, nostálgico. Naquele momento me veio a cabeça em fração de segundos a imagem de todos os meus familiares, amigos, pessoas que passaram pela minha vida na escola, faculdade. Senti um cheiro, um cheiro de vida, um cheiro bom de café sendo feito logo pela manhã. Senti uma brisa no rosto como se alguém tivesse aberto a janela do céu. Era minha alma que beijara meu corpo ali caído.

Expulsar o que me fazia mal era tentar arrancar a vida!

Eu tinha a impressão que me levantaria a qualquer momento dali. Luzes passavam em meus olhos o tempo todo. Parecia que aquela sala abandonada estava cheia. Na minha boca veio o gosto de todos os beijos que dei. Minha alma ganhara ao meu lado mil faces. Desde aquelas que eu via passar rápido pela rua até aquelas que fizeram parte de meses da minha história.

Expulsar o que me fazia mal era tentar não viver!

Uma espécie de sufoco sob muita pressão no meu peito que estava aberto. Um piscar de olhos rápido com sensação de 5 segundos, mas ao abrir dos olhos notei que ninguém havia me encontrado. Minha alma repousava na cadeira ao lado com seus cabelos brancos e barba já grande. Parecia evidente o seu sofrimento preso ao meu corpo. Alguns bichos corriam pelas minhas pernas , braços, era finalmente o começo do fim.

Expulsar o que me fazia mal era enterrar-me vivo!

Então notando que ninguém apareceria, ninguém me encontraria e que isso já fazia com que ela mesma se sentisse à beira da morte,  mesmo sendo imortal, ela tomou os restos do meu corpo em seu colo. Sem pensar duas vezes juntou meus braços que já não estavam mais presos ao tronco, pegou uma das mãos que estava embaixo de um pedaço de madeira e me levou para fora.

Expulsar o que me fazia mal  era tirar-me de mim mesmo!

Começava ali uma tempestade. Era uma chuva que levou até um pouco de alguns órgãos dissecados dentro de mim, o restante de meu cabelo e até alguns dentes. Vi tudo escorrendo para baixo. Enquanto isso minha alma cavava um imenso buraco. Ao terminar juntou todo o meu corpo que se desfez ao estar exposto à chuva e me jogou ali dentro…

Tudo foi ficando escuro, eu sentia o peso da terra sobre mim. Não havia mais luz!

ABRO MEUS OLHOS. Vejo uma luz tomando minha alma. Ela se rejuvenesceu em milésimos de segundos. Eu respirei profundamente pela última vez. E não vi mais nada depois disso.

Expulsar o que me fazia mal era tirar todo o sangue da minha existência!

 

 

Andrio Robert Lecheta 09/07/2014 às 22:51 horas.

Ao som de Lithium – Evanescence.

 

HECHO EN ESPAÑA: Nada y Nadie es para siempre!

luz-do-amor

 

Amanhã serei mais um contato numa rede social. Uma foto esquecida e deixada ali ao lado das outras pessoas que brevemente passaram pela vida, talvez sem importância ou com relevância momentânea.

Amanhã serei aquele alguém que você conheceu por uma casualidade da vida. Vida essa que sempre conspira a afastar o que poderia ser. Serei uma beijo dado, um gosto bom, um perfume desconhecido. Um registro de um momento.

Um beijo, um sorriso e um olhar. O que se passa contigo? Está tudo bem?

A pergunta sem resposta. Um silêncio.

E se? E se amanhã eu não tivesse que arrumar as malas e ir para minha casa? Como seria? Poderia ir para a sua?

Se eu não tivesse acordado e saído de casa? Se você, se eu, se tudo aquilo não tivesse conspirado a favor? Onde estaríamos agora?

Tiempo al tiempo! Tiempo al tiempo! Tiempo al tiempo! Tiempo al tiempo y el tiempo se vaya!

Me pierdo en el intento!

A vida brinca com as peças desse quebra-cabeça e pode ser que eu não te veja mais,ela não costuma colaborar muito! E é estranha a sensação de passar por pessoas que jamais  veremos de volta. É como se elas morressem de alguma forma. Elas não estarão mais lá quando vier a vontade de revê-las .

Un beso, una sonrisa, una mirada e ahora la respiración fuerte! Fim do beijo. Está tudo bem? Isso é bom?

E se a vida desse a chance das pessoas não partirem? Não passarem tão rápido? Como seria?

Hay Dios? No hay Dios? Hay Cielo? No hay cielo?  Vãs filosofias de um dia que amanhecia!

Não importa, um beijo de novo. Agora demorado seguido pelo ritual de sempre: el cierrar de los ojos, una fuerte respiración, una mirada y el silencio.

Quizá no sea hora de decir nada! Apenas observar como as coisas na vida acontecem apenas uma vez e talvez nunca mais voltem!

TIEMPO AL TIEMPO! TIEMPO AL TIEMPO!

Melhor ter acontecido rápido do que não ter acontecido.! No lo es?

Y entonces vuelvo al silencio y pienso:

Nada y nadie es para siempre!

Esto es bueno y malo!

Bueno quando precisamos nos livrar das lembranças!

Malo quando estamos presos a elas!

 

Andrio Robert Lecheta, 09/07/2014 às 06:13

Ao som de NADIE ES PARA SIEMPRE ( Luis Fonsi)