Daydreaming

 

amorte

 

Esses dias atrás resolvi me deitar e dormir um pouco durante o dia. Fazia muito calor lá fora. Eu me sentia com febre. Adormeci rápido e tive um sonho terrível com você.

Sonhei que tudo tinha acabado, que os sonhos tinham sido frustrados e que eu não poderia nunca mais olhar em seus olhos. Eu havia perdido meu paraíso!

No sonho a tua voz havia perdido a doçura e você não se arrepiava ao meu toque.Você já não tinha o zelo de sempre comigo.

Sonhei que havíamos nos perdido e nos machucado. Que havíamos aberto feridas profundas onde nossa alma ainda estava sã em outros tempos. Eu sonhei que estávamos separados e sangrando. Você já não cantava pra mim, havia ido buscar outros olhos, bocas e corpos. E que nossos dois filhos, Pedro e Gonçalo, ficaram nos planos fracassados de um passado que ardia por querer ser futuro.

Foi um pesadelo. Você havia descoberto que  não valia mais a pena a saudade, a distância e a espera.

Meu céu havia ficado sem brilho e a única graça que havia depois da chuva, O ARCO-ÍRIS,  agora já não aparecia mais.

Sonhei que cada um ficou num canto ouvindo as músicas que lembravam nossa história e que ambos permaneciam em silêncio. As alianças foram parar na gaveta embaixo das roupas para não serem encontradas.

Cheguei a sonhar que passei por aquela estação de metrô. SIM! Aquela mesma: a estação Parque, onde pela primeira vez eu encontrei o aconchego dos teus braços deitando no seu ombro sem saber que seria eterno pra mim. Senti falta de nós.

Também neste sonho eu saía na tentativa de encontrar alguém que te substituísse, que fizesse eu te esquecer, mas eu não encontrava. Sonhei que eu chorava a cada pessoa que se apaixonava por mim e eu me sentia vazio sem sentir nada por esta pessoa.

Até sonhei que pelas ruas de Paris ou de Madrid eu encontrava pessoas parecidas com você e então eu ficava um pouco em silêncio, secava algumas insistentes lágrimas e voltava pra casa.

Lembro que no sonho quando eu saía de algum bar ou discoteca eu sentia apertos no meu peito como nunca havia sentido na vida, que isso pressionava meus olhos e eu chorava de imensa saudade sua. Sem você se importar e mesmo depois de ter dito que não suportava mais meus choros ao telefone. ( A PARTE MAIS DURA DO SONHO, POR SINAL).

Sonhei que isso já durava 4 meses: sem sms, sem beijo, sem abraço, sem encontros, sem espera..

Apenas solidão!

Sonhei que você tinha quebrado todas as promessas que fez. E que no fim do sonho eu escrevia um texto em um blog qualquer, na esperança de algum dia te mostrar ou na esperança de que você estivesse lendo.

Então, de repente, eu acordei e tive que me dar conta que nada tinha sido um sonho e que isso tudo era a mais pura realidade que me acompanhava desde o seu último silêncio.

Andrio Robert Lecheta às 20:18 horas 18/07/2014

Ao som de Daydreaming – Paramore.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s